Os limitados a curto prazo. | Dia-a-dia da mobilidade reduzida | Especial Coisa Séria & Aconteceu Comigo.

5 de mai de 2015

Ufa! Que puta título huh?
  Preciso, porém, grandioso. O título do post de hoje remete à coisas que nós nem nos importamos e que acontecem debaixo dos nossos narizes paulistas enormes, empinados e com catarro pro causa do mau tempo aqui.



Anteriormente dia 16/04


Eai seus bosta, ceis tão bem? É memo é? Foda-se. 

Eu sei demorei muito pra voltar. Aconteceu uns lances sabe? Milhares de coisas.
Fui no Maeda no final de semana (ô lugarzinho fóda) e machuquei meu pé por lá. 

Sim, estou usando bota ortopédica agora. Sabe robofoot? 

Genialidades Sabrina.
E infelizmente perdemos um grande amigo da família.
Até iria fazer um post falando sobre "reflitao" sobre a morte, mas... Gente, sério. Eu ando numa maré de medo de morrer, que eu não achei necessário, prefiro não comentar muito sobre.
Vamos ao post.


Aviso

Esse post é sobre coisinhas sérias. Se você é um tremendo babacão que só quer ler zoeira, sinto muito. Vá ver um vídeo do Damiani. OKA? (Sou uma daora <3) 

Ah, essa vida de corno manso. 
Minha relação com o ortopedista é, de longe, a mais fiel que existe. Eu sempre estou lá.
Não tem um mês em que você diga: Sabrina está ótima. Não caiu uma vez. Nem um arranhão se quer.

Tsc, Tsc.

Sou um desastre. Um grande baixinho desastre. E não é belo. (*aquele som de prato de bateria quando você faz uma piada*) 

Eu sou mestre em cair, me esfolar, formar crateras na cara por bater no chão, e uma infinitude de coisas que eu me permito. Eu sempre me machuco. E quem se fode é o meu pé, minha perna e/ou meu joelho.
Como na foto acima, ceis viram, foi o meu pé.
(Tô até afastada por causa disso. É... Ou cê acha que eu saio postando aqui porque tive tempo?)

Pra quem não sabe, acredito que ninguém saiba mesmo, eu me acidentei ano retrasado.
Pra recapitular:


  1. Eu trabalhava de manhã, numa empresa de energia. (Não farei merchan.)
  2. Usava o trem para me locomover.
  3. Era um dia em que SP estava um caos. (Acontece.)
  4. O lugar estava lotadaço.
  5. O trem veio.
  6. Me empurraram.
  7. E eu CAÍ QUE NEM BOSTA NO VÃO DO TREM.
  8. Fim. <3

Claro que a história real não é bem assim, feliz.
Eu me machuquei feiosamente e fui afastada do meu trabalho. Porém, eu tive que trabalhar um mês de muletas e de bengala.
E foi assim que eu descobri que essa cidade é uma bosta em relação a Mobilidade.

Veja bem, eu sempre tive uma vidinha normal. 
Tenho minhas pernas finas e tortas, mas que funcionam super bem. 
E ai eu quase quebrei meu joelho. Usei talas, gesso, faixa, um trosso de metal pra manter minha perna esticada e foi uma grande merda.

Isso tudo serviu para eu descobrir o que SP faz com seus portadores de necessidades especiais.

É. Eu consegui tirar algo de bom de tudo isso. E mudar meu modo de pensar.

Tudo começou quando eu saí da minha cama, nos dias de atestado, e descobri que teria que trabalhar. Meu pai não podia me levar de carro até o centro, e eu ia de trem. 
A-P-A-V-O-R-A-D-A.
Eu tenho receio de trem até hoje. Tenho medo de cair no vão novamente.
E isso fazem dois anos já. Eu sei. Faz tempo. Mas eu tenho medo ainda.

Voltando.
Começa quando eu tenho que entrar na estação - metrô, trem, ônibus. E eu tenho que dar a volta pela entrada para chegar às catracas. É cansativo usar muletas. Seus ombros doem e seus joelhos se cansam com facilidade. Suas axilas ficam marcadas por causa do apoiador. Isso se ele for de esponja, OK? Se for de madeira esquece seu ombro.
Depois de andar um pouco, e já cansar meu joelho dolorido, eu finalmente cheguei às catracas. E ai? Surpresa! 

Algumas catracas são pequenas, se você estiver de bengalas/muletas; dificilmente vai conseguir ultrapassá-las. E no tempo em que eu tive minha mobilidade reduzida era bem difícil alguém abrir aquela portinha para cadeirantes. (Acredito que os seres humanos não tem a capacidade de compreender, que os cadeirantes; os muleteiros e o povo 29/30 - que são os que mancam, como meu pai diz - são pessoas que não tem mobilidade o suficiente para subir escadas, ficar em pé em meios de transporte e passar catracas estreitas e que travam mais que o Windows.)

O que eu mais reclamei quando usei muletas foi a falta de elevadores e rampas nos estabelecimentos. Desde mini-shoppings à plataformas de ônibus. 
Imagina subir e descer escadas, rampas longas, elevações nas calçadas com muletas? 
É horrível.
E ninguém se importa.

Sofri por meses com isso. 
Eu usava uma plataforma, no meio da Av. Rebouças, em que o acesso ero feito por passarelas. Eu tinha que enfrentar dois lances de escadas todos os dias. Por quê? 
Simplesmente pelo fato de não arrumarem o elevador. Nunca.
E uma vez, indo para o trabalho, acabei deixando minhas muletas caírem. Alguém ajudou?
Não. Nem uma alma bondosa.

Pra não dizer todos os lados ruins, posso garantir que no ônibus você tem seu lugar.
Isso quando não tem uma velha fdp que nunca vai entender que você sofreu um acidente.


História real:
Lá estava eu, indo para a faculdade. Feliz da vida. 
Entrei, passei as catracas com dificuldade e me assentei no primeiro banco preferencial que vi. Coloquei minhas muletas ao lado e curti minha viagem de alguns minutos. Esta seria interrompida com uma senhora mal amada. 
Ela entrou, e fez o mesmo que eu. 
Não se atentou ao assento ao lado, com uma jovem adormecida. O que ela fez?
Isso.
Ela maldosamente me olhou furiosa.
- Não vai se levantar, menina? - Perguntou, rosnando.
- Eu preciso deste assento também. - Respondi um pouco desatenta. A velha, com um ódio descomunal começou a reclamar.
- Mas que pouca vergonha! Não quer se levantar pra quem precisa! Esse país é uma bosta mesmo! Que horror! Saia daí sua mal educada!
Eu a olhei fixamente nos olhos e a mandei tomar no cu.

Er...

Não. Eu nem respondi. 
- A moça está de muletas, minha senhora. Use o assento do seu lado, por favor. - Respondeu o cobrador.

Se eu te disser que ela sentou no assento do lado, me xingando, você vai se surpreender?


O que eu mais presenciei nesse tempo, e foi bastante, é a falta de educação. Foram vários casos. Algumas pessoas esquecem que esses lugares são, por direito, de uma parcela da população. E não se deve pedir lugar reservado. Deve se oferecer sem questionamentos. É pra isso que servem as placas, sabiam?

Outro ponto: sujeira nas ruas.
E não é só por causa dos boeiros, sim, aqueles que entopem quando chove. 
Ou a proliferação de pragas. 
Muito menos o perigo do lixo eclodir por causa do calor. Estou falando da dificuldade que é andar numa calçada íngreme, sem rebaixamento, esburacada e com lixo. Isso que eu andei de muletas. Imagina quem precisa de andador e de cadeira. Né? 




Atualização dia 05/05
No final de semana retrasado, porque eu demorei para terminar o post*, eu tirei o robofoot.


(Tenho vida.*)

Mas no tempo que usei, eu passei as mesmas coisas. Uma delas a se ressaltar é a falta de paciência dos motoristas e cobradores de lotações.
Concorda comigo, que se eu precisar ir num lugar bem aquém do ponto, e pedir para o motorista me deixar desembarcar antes do próximo ponto, ele deveria deixar eu descer?

Os funcionários dos ônibus não concordam. E não só conosco. É bem abrangente. Principalmente sobre não esperarem idosos entrarem no dito cujo. 

Não sei se é pressa, se é fogo no rabo ou filha da putagem, mas a realidade é que eles não param para nós. Nem cadeirantes, nem idosos. A falta de respeito é gigantesca. Como no caso de uma jovem cadeirante que passou maus bocados em Guarulhos.
O vídeo foi postado no Facebook.


Olha que absurdo pessoal!Prestem bastante atenção nesse video, anotem os nomes ditos nele e compartilhem pra que isso não fique só na bronca/denuncia. Curtam e Compartilhem >>> Guarulhos em Rede
Posted by Guarulhos em Rede on Sábado, 25 de abril de 2015


Espero que a jovem consiga seus direitos na justiça.
E acredito que vocês tenha entendido o recado: Ninguém tá nem aí pra ninguém.

Como relatado no vídeo, a moça foi mal tratada nos pontos e nos ônibus, nos quais, os próprios usuários reclamaram, alegando, que em horário de pico, um cadeirante atrapalharia a utilização de um lugar que, veja bem, pertence a ele por lei.

Até quando, ó sociedade pós-moderna; paulistanos, paulistas, cariocas, mineiros e seja lá mais quem forem, até quando vamos ter que tolerar essa falta de noção de nossos próprios moradores? Como poderemos nos orgulhar de sermos o povo mais simpático das Américas se não nos importamos com nossos cadeirantes, idosos e limitados de mobilidade?

Tenho vergonha de você, que reclama quando um motorista tem que parar a perua, descer a escada e usar o elevador para acomodar um cadeirante.
Tenho vergonha de você que não se importa se tem alguém usando uma muleta, sem condições de permanecer em pé, e não levanta essa sua bunda obesa e flácida do lugar.
Tenho pavor e nojo de você, que alega odiar os idosos, porque são frágeis.

Em sumo, espero que este post sirva de pensamento do dia pra ti, que vive reclamando do quanto sua vida é ruim, e nem imagina, que aquela calçada ingrime na frente da sua casa, pode arruinar o dia de um cadeirante, ou atrasar aquela pessoa que está de muletas, ou até, torcer a coluna de um idoso com artrose.


Credo Sabrina, que exagero.

Pois é gafanhoto, parece exacerbado mas é a realidade. Todos eles passam isso em todos os dias e quando reclamam dizem que eles deveriam ficar em casa, que idoso não tem que ficar na rua, que: "Pra que sair de casa se você está afastado do trabalho"?

As pessoas esquecem que o mundo não gira em volta de seus empregos ruins. O mundo gira em volta da nossa vida. E é ela quem devemos prestar a maior das nossas preocupações.
Então uma dica da tia Sa: Respeito. Com um pouco disso nos seus dias a vida se torna mais fácil e agradável.
Sempre respeite os lugares de idosos, ajude um cadeirante a entrar num ônibus, pare para ele, auxilie quem tem mobilidade reduzida. Tudo isso com o mínimo de bom senso, OK?

E nada de me enxerem o saco por causa daquela velha mal amada do outro post.

Amo vocês.

Senti falta e tal, e quero pedir desculpas pela demora. Mas poxa, olha ai, post grande cheio de links e ótimo para debater.
Que tal vocês tomarem vergonha na cara e comentarem?


Beijo na boca viado!



Pequeno espaço para os devidos créditos: 
Imagem de apresentação: Entre a Pressa e a Preguiça.
Imagens adicionais, tais como gifs, são da INTERNET.
¹ Catracas: Reprodução super.abril.com.br
² Sogra Chata: Reprodução https://putzlinkg11.wordpress.com/category/chatas/
³ Lixo na Rua: Reprodução http://casa.abril.com.br/materia/em-sao-paulo-jogar-lixo-na-rua-podera-render-multa-de-ate-r-500
4Vídeo da Cadeirante: Reprodução https://www.facebook.com/GuarulhosEmRede

Comentários da Rede Social Azul:

Nenhum comentário:

Pode xingar. Mas xinga com classe.